Rede de atendimento psicanalítico - ITM

Os psicanalistas membros do Instituto Tempos Modernos oferecem às comunidades de São Paulo, ABC Paulista, Rio de Janeiro e Niterói, um dispositivo de atendimento psicanalítico com o objetivo de acolher as demandas dos sujeitos dessas comunidades.

 

Com esta decisão não fazemos mais que continuar com a orientação de Freud e de Lacan.

 

Lembremos que em 1918, depois da primeira guerra mundial, Freud reuniu os psicanalistas presentes no congresso em Budapeste para iniciar a abertura de algumas instituições, “lugares de consulta e tratamento psicanalítico para adultos, crianças e famílias”. Foi assim que a psicanálise, junto a outros discursos, contribuiu para a transformação da sociedade civil do pós-guerra.

 

A função social da psicanálise é enfatizada por Lacan, que nos orienta a renunciar à nossa função de analistas se não for possível unir ao nosso horizonte a subjetividade de nossa época.

 

É por reconhecer a severa crise que atravessamos no Brasil, que nós, psicanalistas, não podemos faltar com nosso compromisso ético diante daqueles que sofrem. Por esta razão nos dispomos assim como Freud e Lacan, a sermos agentes de uma transformação no mal-viver de nossa cultura.

 

 

Coordenação: Susana A. Palacios   

 

 

Os honorários serão estabelecidos um por um, quer dizer, caso a caso, nas entrevistas com o(a) psicanalista.

Contate-nos

Mensagem enviada! Em breve você receberá um e-mail!

REDE DE ATENDIMENTO PSICANALÍTICO DO INSTITUTO TEMPOS MODERNOS

      Nossa rede de psicanalistas sustenta uma oferta aberta para a comunidade, para isto flexibilizamos os honorários e aceitamos o que cada um pode pagar. Com a pandemia abrimos incluso a tratamentos sem custo.

        A rede é para nós, uma oportunidade que oferecemos, e uma oportunidade que nós nos damos para continuar pesquisando e investigando, a respeito da constituição do sujeito e seu gozo, e do ato do psicanalista que o possibilita. O que fazemos é por nosso interesse e nossa responsabilidade, já que por trás de nossa oferta, contamos com uma transferência de trabalho entre os analistas, constituída para questionarmos e avançarmos na teorização.

      Nesse sentido, nossa rede é uma prática que se orienta para manter a formação dos analistas. Este ano abrimos outra frente, a pedido dos abrigos do Foro de Santo Amaro estamos recebendo a jovens e crianças, que precisam de atendimento sem custo. Neste momento são nove os jovens beneficiados, acolhidos por três analistas participantes do nosso ensino.

           A possibilidade para começar a praticar exige a análise e os estudos dos que se candidatam, ou seja, depende da autorização de cada um por si, e frente a nós, tendo em conta que na psicanálise, um psicanalista se autoriza a si mesmo e junto aos outros, e não em algum título.

       Esses tratamentos serão supervisionados pela psicanalista Susana Palacios e a partir do segundo semestre deste ano, serão abertas a todos os participantes do ensino, e a todos os psicanalistas da rede social do ITM.